Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate

Portuguese English Spanish

Opções de acessibilidade

Página inicial > Nesta Edição > 2020 > 155 - junho, julho e agosto > Epidemias, estatísticas e mortalidade
Início do conteúdo da página

Epidemias, estatísticas e mortalidade

Escrito por Beira do Rio | Publicado: Segunda, 15 de Junho de 2020, 16h58 | Última atualização em Segunda, 15 de Junho de 2020, 20h38 | Acessos: 1638

O que a História tem a dizer sobre velhos e novos cenários?

Arthur Vianna e Clio, a musa da História, contam os mortos.
imagem sem descrição.

Por Daniel Souza Barroso, especial para o Beira do Rio Ilustração Walter Pinto

No início de 2020, uma expressão voltou ao centro das discussões no Brasil e no exterior. Prática tão conhecida quanto pouco vivenciada no imaginário de um mundo cada vez mais globalizado, a quarentena, hoje, remete à ideia de distanciamento social, apresentada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e por autoridades sanitárias de diversos países como uma das únicas práticas preventivas realmente eficazes contra a covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), caracterizada como pandemia pela OMS, em 11 de março deste ano.

A ideia de distanciamento social pegou muitos de surpresa, senão os historiadores da Medicina. Alison Bashford, professora da Universidade de New South Wales, em Sidney, Austrália, e especialista em História da Quarentena, lembra que o distanciamento social tem sido uma prática quase imutável ao longo dos séculos: uma resposta a doenças transmissíveis que parece familiar a todos, embora distante do nosso cotidiano há algumas décadas. Uma resposta que, lembra-nos Bashford, parece não moderna e antiliberal, com efeitos diversos na vida econômica e material, e frequentemente associada ao abuso do poder estatal.

Diferentemente da quarentena, as práticas de contagem de enfermos e de mortos mudaram bastante no decorrer do tempo. A preocupação com a estatística constituiu uma peça fundamental de uma nova arte de governar que se estabeleceu na Europa do século XVIII. Como nos ensina Michel Foucault, a nascente “governamentalidade” era pautada na necessidade de conhecer quem eram as pessoas que geravam riquezas, pagavam impostos, constituíam a força de trabalho e poderiam ser convocadas para a guerra pelo Estado. Em outras palavras, era preciso conhecer a população para governar, sendo a estatística um meio privilegiado para esse fim.

Na Antiguidade, os egípcios e, principalmente, os romanos viam nas contagens populacionais um instrumento de administração e justiça. Embora tenha se tornado menos usual durante grande parte da Idade Média, a prática de recensear voltou a ganhar importância a partir do século XV.

Do primeiro Catasto de Florença, de 1427, às Descripciones de los Pueblos de España, ordenadas por Felipe II, em 1574, várias foram as experiências de contagem populacional feitas na Europa, no contexto de transição da Baixa Idade Média para a Modernidade. Tratava-se, no entanto, de experiências esparsas no tempo, incompletas no espaço, que ainda não atendiam aos mesmos propósitos da “governamentalidade”.

A subnotificação e o uso político sempre ocorreram

Essa nova arte de governar, da qual nos fala Foucault, levou os estados nacionais europeus a produzirem, de maneira sistemática, diversos tipos de estatísticas – exercício censitário que perdurou nos séculos seguintes, nos quatro cantos do mundo, mesmo após as independências das antigas colônias da Europa.

A vasta historiografia existente acerca das estatísticas demográficas, em geral, e das estatísticas de mortalidade, em particular, lança luz para dois grandes problemas na produção e no emprego governamental dessas estatísticas “modernas”, assim como na sua utilização por historiadores contemporâneos: em primeiro lugar, um evidente e constante problema de subnotificação; em segundo, os diferentes usos políticos feitos dessas estatísticas, tanto no passado quanto no presente.

Já no contexto amazônico, em 1906, Arthur Vianna publicou o clássico As Epidemias no Pará. Leitura obrigatória para todos aqueles que, mesmo hoje, se aventuram em estudar a história da saúde e das doenças na Amazônia. A obra percorre diversas “epidemias que flagelaram o Pará, desde o seu início até então”.

Fruto de pesquisas correlatas desenvolvidas por Vianna, anos antes, quando elaborava um estudo sobre a história da Santa Casa de Misericórdia de Belém, o livro tem nas estatísticas, ainda que “muito reduzidas”, um dos seus alicerces fundamentais. Varíola, febre amarela, cólera e outras “moléstias” tiveram as suas estatísticas de mortalidade compiladas por Arthur Vianna, intercaladas pelos juízos de valor característicos da época sobre o perfil dos enfermos e dos mortos, as causas das doenças e as medidas profiláticas tomadas pelas autoridades públicas.

Em 1850, a cólera fez vítimas na capital e no interior

A epidemia de cólera, que grassou na província em 1850, pode nos servir de fio condutor para a discussão de alguns dos problemas relativos às taxas de mortalidade no passado da Amazônia. Àquela altura, Belém era uma cidade de cerca de 20 mil habitantes. De maio de 1855 a fevereiro de 1856, entre 6 e 7 mil pessoas foram contaminadas pela doença; dessas, 1.052 faleceram.

À primeira vista, argumenta Vianna, esses dados podem indicar um “número diminuto de mortos em proporção ao número elevadíssimo de afetados” – realidade, em parte, distante da encontrada nos interiores pelos quais a epidemia se alastrou. Cametá, por exemplo, somou 5 mil contaminados e 1.336 mortos até outubro de 1855, com uma população inferior à da capital.

As estatísticas, baseadas em dados oficiais e nos registros feitos em 1855, pelo então presidente da Comissão de Higiene Pública do Pará, Dr. Francisco da Silva Castro, apresentam uma série de inconsistências. Segundo o próprio Arthur Vianna: “tomando por base o número de 8 mil atacados [em Belém], aliás muito inferior ao verdadeiro, obteremos o coeficiente de 5,3 para a mortalidade. Dado esse em completo desacordo com o de outras localidades”.

Além da expressiva subnotificação de casos de contágio e de óbito – seja por falhas de registro, seja por dificuldades na caracterização das doenças –, os apontamentos de Arthur Vianna são sugestivos dos usos políticos das estatísticas por autoridades provinciais. O intelectual destaca que Silva Castro, ao contrário de notórios epidemiologistas do período, como o francês Adrien Proust, associava a maior disseminação da cólera a “condições somáticas”, indicando que “a moléstia buscava, de preferência, os índios, os pretos e os mestiços nos quais se apresentava sob as formas mais graves, atacando menos os brancos e neles se exibindo benignamente na maioria dos casos”. Afora o presidente da província, Ângelo Custódio, e outras duas centenas de pessoas brancas da capital, a cólera vitimaria, sobretudo, as camadas menos abastadas da população da cidade, as quais tanto Silva Castro quanto Vianna praticamente culpavam pelas condições insalubres de sobrevivência.

Obra revela experiências longe dos discursos oficiais

Em estudo revisionista sobre essa epidemia, Jane Beltrão, hoje professora titular da UFPA, avançou na compreensão do imbricado processo que marcou o flagelo da cólera em Belém, compreendendo as diferentes dimensões sociais e cognitivas dos vários sujeitos históricos nele envolvidos. Para além dos dados oficiais e das histórias dos médicos alopatas, que desconsideravam os saberes tradicionais das “gentes” da Amazônia, Beltrão deu voz àqueles que viam na cólera um reflexo das desigualdades e das injustiças sociais que os acometiam desde muito antes da epidemia. Desse modo, a autora demonstrou como as experiências que marcaram a epidemia na Belém oitocentista estiveram longe de se limitarem aos discursos das autoridades e da Medicina formal, muitas vezes contrastando-os.

Sobre a pandemia da covid-19, contexto marcado por profundas transformações na vida social e econômica de todos, não seria ilógico questionarmos: o que a História tem a dizer? As epidemias do passado, assim como as do presente, mudam as nossas rotinas, as formas de convivência e as maneiras de ver o mundo. Não são, porém, apenas essas as semelhanças entre ontem e hoje.

As discussões acerca das contagens de enfermos e de mortos, os usos políticos da epidemia/pandemia pelas autoridades públicas, os embates em torno das medidas profiláticas e a estigmatização dos doentes... tudo permanece. Se é certo que, após um custo sempre incalculável de vidas humanas, a pandemia do novo coronavírus vai passar, nunca é tarde para fazermos outro questionamento: qual futuro nós queremos como sociedade?

Daniel Souza Barroso - Professor da Escola de Aplicação da Universidade Federal do Pará (UFPA). Doutor em História Econômica pela Universidade de São Paulo (USP). E-mail: dsbarroso@ufpa.br

Saiba mais

Antes e depois da publicação do trabalho de Beltrão, em 2004, diversos estudos se dedicaram a analisar a história da Medicina, da saúde e das doenças na Amazônia, a maioria produzida na Universidade Federal do Pará, especialmente no Programa de Pós-Graduação em História Social da Amazônia, e no Museu Paraense Emílio Goeldi.

Aldrin Figueiredo, Alexandre Amaral, Aristóteles Guilliod de Miranda, Elane Gomes, José Maria de Abreu, Magda Costa, Márcio Couto Henrique, Nelson Sanjad, Otaviano Vieira, Sílvio Rodrigues e tantos outros estudaram a pajelança, as práticas de cura, a relação entre história natural e Medicina, a instituição do saber médico-científico, a campanha de vacinação de Oswaldo Cruz, as epidemias do século XVIII, a gripe espanhola de 1918, a lepra e diversos outros temas na Amazônia

Referências do artigo

BASHFORD, Alison. Quarantine: local and global histories. London: Palgrave Macmillan, 2017.

BELTRÃO, Jane Felipe. Cólera: o flagelo da Belém do Grão-Pará. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi; Universidade Federal do Pará, 2004.

FOUCAULT, Michel. A governamentalidade. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979, p. 277-93.

VIANNA, Arthur. As epidemias no Pará. Belém: Imprensa do Diário Oficial, 1906.

Ed.155 - Jun/Jul/Ago de 2020

Adicionar comentário

Todos os comentários estão sujeitos à aprovação prévia


Código de segurança
Atualizar

Fim do conteúdo da página